© MMXVII Glauco Fonseca . Todos os direitos reservados.

Textos podem ser republicados mediante citação de autoria.

Chega de errar!

March 30, 2015

 

Einstein disse que é insano continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes. Se isto é tão verdadeiro quanto a relatividade, então estamos condenados à loucura e à danação eterna. Em sendo também verdade que todos os homens são iguais, à imagem e semelhança do Senhor (Gênesis 1:27), o futuro é tenebroso pela relação causal que se pode deduzir: Se cometemos erros recidivos e pouco – ou nada - aprendemos com eles, seria a nossa insanidade o que nos torna diferentes de Deus, por mais que Sua boa vontade tenha sido a de nos fazer parecidos? Nossa compulsão por errar e não aprender é nosso limite como ser que habita o universo?

Esta introdução filosófica de botequim é apenas para adentrar num tema que nos incomoda muito. Como é que podemos errar tanto em decisões que poderiam ter sido evitadas? O que explica Dilma ter vencido as eleições de 2014 com o Petrolão espocando o “sealed beam” em sua nuca? Qual o teorema perverso que explica a vitória de Lula em 2006, em plena denúncia devastadora do Mensalão? O que podemos esperar da economia de um país que gasta muito mais do que arrecada? Qual o resultado que advirá da queda contínua do desempenho industrial? De que forma a reeleição de Dilma poderá fazer com que tenhamos tempos mais prósperos, democráticos, transparentes e para que o país se afaste das tentações corruptas, bolivarianas e dos apelos populistas da ignorante e ineficaz gestão do PT?

As respostas são todas emolduradas pela frase de Einstein. Somente a neurose coletiva em alto grau pode nos fazer perseguir bons resultados através de péssimas práticas. É como tentar vencer um campeonato com o pior time, ficar letrado sem ler, passar no vestibular de medicina da USP sem estudar. Impressiona, além do mais, que todo e qualquer ser humano sabe do que estou falando. Qualquer pessoa sabe que não se enriquece tendo mais despesa do que receita, não se fica saudável bebendo e cheirando pó todo dia, não se emagrece à base de macaxeira e farinha de milho. Nós todos, beirando a idiotia coletiva desenganada, sempre soubemos que o PT jamais seria capaz de gerenciar um país, quanto menos um país em crise econômica e política.

O que nos torna tão doidos a ponto de eleger e reeleger Maluf, Lula, Dilma, Sarney e outros tantos? São eles que são bons e nós é que não prestamos? Quiçá descubramos, no futuro, que as virtudes ortodoxas que tanto achávamos adequadas eram, na verdade, cretinices intelectuais? Será que os gregos e os esquerdistas estão certos em gastar muito mais do que o bom senso sugere? Será que corrupção tendo o PT à frente é desculpável? Ou Maria da Graça, Gabrielli, Paulinho, Duque, Youssef e Cerveró são, de fato, guerreiros do povo brasileiro, tanto quanto Dirceu, Delúbio, Genoíno e Silvinho Land Rover?

Ó dúvida cruel. Einstein empresta o termo “relatividade” para o que acontece aos brasileiros, um país onde tudo é relativo e tudo desafia o senso comum. Só nos resta reconhecer também que a quebra de ciclos é sempre dolorosa, mas necessária. Tirar Graça da Petrobras foi uma pequena ruptura, tirar Dilma do governo, pelo impeachment, não é relativo; é necessário. Tirar o PT do governo, estancando a corrupção que carcome o que sobrou do Brasil não é necessário. É absolutamente vital.

Então chega de insanidade e de relativismos. Temos que resolver o país em 2015. Não dá mais para esperar. Repetir os mesmos erros ninguém aguenta mais. Precisamos, no mínimo, de erros novos. 

Please reload

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now