© MMXVII Glauco Fonseca . Todos os direitos reservados.

Textos podem ser republicados mediante citação de autoria.

Presidencialismo de coalização: Antes e agora

May 22, 2016

Os nada saudosos governantes petistas, sempre que eram questionados a respeito de suas ações e obras, elencavam os valores investidos no empreendimento A, os bilhões gastos no projeto B e assim por diante. Ao serem perguntados o que haviam feito, de fato e por exemplo, no campo da saúde, respondiam sempre de pronto “investimos X bilhões na saúde no ano tal, 50% a mais do que o governo anterior”. Era sempre assim: milhões aqui, bilhões acolá. Se alguém perguntasse algo do tipo “OK, mas, de fato, o que está sendo feito com esse enorme orçamento mencionado? ”, ficava invariavelmente com respostas evasivas, quando não agressivas pois, para os petistas, o valor pecuniário era sempre mais importante do que as obras em si. A diferença – ainda que precária – se dava nas campanhas eleitorais, onde apareciam algumas obras que deveriam ilustrar ou desvendar o destino dos recursos. As lacunas de verdade se davam nestes “esclarecimentos” também precários a respeito de obras que até hoje, em grande parte, estão ou inconclusas ou sequer ainda saíram do papel.

 

Esse método - lidar com os montantes como se bastassem para que as coisas se tornassem reais ou de divulgar valores como se esses fossem fruto da generosidade petista - além de enormemente irresponsável, escondia a estupenda incompetência gerencial petista, bem como sua inapetência para o trabalho efetivo. Os tais bilhões de dólares para a duplicação de uma rodovia era, para eles, o trabalho em si. A rodovia? Ora, quem se importa? O jeito petista de não-fazer e “gargantear”, como se diz aqui no RS é responsável pelo estado a que chegou o país, com obras inacabadas e cofres raspados, com contratos aditados e obras por concluir. A “mecânica” de fazer negócios do petismo encerrava no rápido espaço de tempo entre a entrevista coletiva para anunciar somas enormes de dinheiro público e a propina que chegava a partir do pagamento da primeira parcela de cada obra.

 

No petismo, época macabra em que foi gestada e parida a mais violenta hecatombe econômica de um país inteiro, o “presidencialismo de coalizão” (expressão criada pelo cientista político Sérgio Abranches em 1988), virou sinônimo de conchavos com dupla intenção: primeiro, atrair partidos para fazerem parte da gestão, a título de mantê-los silentes e fiéis às orientações do governo e, em seguida para, de modo sistêmico, subjuga-los não por conta de metas ou objetivos de gestão do estado, mas para aquietar eventuais diatribes com farto dinheiro público. O grande balão de ensaio do presidencialismo de coalizão à moda petista foi o Mensalão. Logo em seguida, a ampla dispersão de “lotes” da máquina pública para todos os partidos aliados gerou apenas uma enorme e desconexa colcha de retalhos, com zero eficiência e altíssimos custos para o país. O resultado está aí para quem quiser ver.

 

Agora, no governo Temer, observa-se que vários partidos fazem, novamente, parte da máquina gestora governamental, mas com uma pequena e, ao mesmo tempo, gigantesca diferença: Os partidos aliados terão de “entregar” seu trabalho, terão de planejar, apoiar o plano de governo, terão de FAZER as coisas realmente acontecerem com menos, muito menos recursos do Tesouro. Eis aí o “presidencialismo de coalizão” em seu estado natural e virtuoso, sem o pejorativo acoplado pelo petismo. A diferença com o estilo petista é enorme e notável. Se os partidos aliados não conseguirem, por seus méritos, estabelecer e agregar valor, serão ejetados da coalizão, o que será péssimo para suas imagens e de seus líderes.

 

 Não dá mais para errar: A coalizão terá de ser em nome do Brasil, de metas estruturantes, da solução de problemas enormes sem desperdício, sem corrupção, sem roubalheira.

 

Não podemos mais nos dar ao luxo de errar, de desperdiçar, de sermos roubados. Não podemos mais nos dar ao luxo de revivermos o petismo.

 

Please reload

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now